segunda-feira, 30 de julho de 2012

SUICÍDIO : OS SINAIS DE ALERTA

SUICÍDIO : OS SINAIS DE ALERTA

Drauzio – Você disse que a pessoa emite sinais de que vai suicidar-se. Que sinais são esses?

Alexandrina Meleiro – Como exemplo, vamos pensar num adolescente que era muito dedicado ao estudo, tinha amigos, gostava de sair, de ir ao cinema, de participar de jogos, de divertir-se e vai perdendo o interesse por suas atividades cotidianas. Não faz com tanto afinco as tarefas da escola, falta aos programas que marcou e não vê graça no que antes lhe despertava interesse. Chama a atenção sua irritabilidade que as pessoas confundem com manifestações da “aborrecência”. Se o observarmos com cuidado, veremos que está agitado, às vezes malcriado, e com sinais de depressão. Não é raro aparecerem sintomas físicos, difusos, como dor de cabeça, de estômago, dores musculares, fruto do desconforto emocional que experimentam. Às vezes, esse desconforto é tal que ele recorre ao uso de drogas porque no início elas provocam um estado de euforia.

Quem não está bem, está baixo-astral ou down como dizem, precisa e deve contar aos pais, aos professores, a um amigo ou ao médico que a vida perdeu as cores e o mundo foi ficando cinza, murcho. Tudo que antes considerava um problema simples e que parece insignificante para os outros, passa a assumir dimensões catastróficas para ele. Sentindo-se sem saída, pode buscar a mais difícil de todas: o suicídio.

Esse adolescente precisa saber o que está ocorrendo nos neurotransmissores de seu cérebro. Assim, não optará por uma solução que o fará abrir mão de sua vida, de seus desejos e aspirações, daquilo que queria para o futuro, das pessoas de quem gosta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário